abril 06, 2015

Antonio Marcos 70 anos: discografia na RCA é relançada

Oito discos que o cantor lançou entre 1969 e 1976 ganham faixas extras

"Dizem que louco sou/e que não vou muito tempo durar/que já não sei onde vou/e fico o meu tempo a chorar", os versos são de Dizem que sou louco, faixa que fecha o segundo álbum de Antonio Marcos, lançado em 1970. Ele durou bem mais tempo do que o seu modo de vida levava a crer. Morreu em 5 de abril de 1992, de problemas hepáticos. Antonio Marcos Pensamento da Silva (1945,
São Miguel Paulista, SP) é um capítulo à parte na história da Jovem Guarda, e do pop romântico à italiana, trilhado pela maioria dos artistas surgidos na onda do iê iê iê. Um capítulo que estava cada vez mais esquecido e que, oportunamente, o selo carioca Discobertas traz à tona, reeditando, no ano em que Antonio Marcos completaria 70 anos, os álbuns que gravou entre 1967 e 1976, grosso modo, a parte mais importante de sua discografia, na antiga RCA-­Victor, pela qual lançou quase toda sua obra.

São duas caixas, com quatro CDs cada. O vol.1 vai de 1967 a 1972, enquanto o vol.2 de 1973 a 1976. Ressaltando­se que o primeiro álbum solo de Antonio Marcos é de 1969. Sua carreira começou em plena Jovem Guarda, com Os Iguais, sem grande sucesso pela mesma RCA. Os quatro primeiros álbuns de Antonio Marcos têm o nome dele por título. Assim como nos títulos, mostra forte influência de Roberto Carlos, que lhe forneceu o primeiro sucesso nacional, em 1968, Tenho um amor melhor do que o seu. Neste mesmo ano ele retribuiu ao Rei, que gravou E não vou deixar mais você tão só, no LP O inimitável. Roberto Carlos gravaria mais duas canções de Antônio Marcos, Como vai você (em 1972), e Aventuras (1987).

Assim como uma legião de cantores da época Antonio Marcos espelhava­se em Roberto Carlos. Ao contrário da grande maioria, tinha seu próprio estilo, sua temática, e atitude. Era diferente, o que já transparece na adolescência, nos Iguais, que gravou em ritmo de iê iê iê, O romance de uma caveira, moda sertaneja de humor negro, da dupla Alvarenga e Ranchinho (em parceria com Francisco Sales). Baladeiro romântico com jeito de roqueiro. Os cabelos escorridos e longos, barba longa, canções lentas e letras mais apropriadas a blues. Raramente suas músicas têm letras pra cima. Seu álbum menos cinzento é o primeiro, que só traz uma faixa assinada por ele (nesta reedição com seis faixas extras, duas delas com os Iguais).

O disco seguinte (1971) é quase todo autoral, assim como o terceiro, 8­1­45 (data de seu aniversário), de capa meio psicodélica. Aos 26 anos, então casado com a cantora Vanusa (que canta na faixa Namorada, concorrente ao V Festival da Música Popular, 1970). O galã deixou crescer a barba (que estará presente em capas de discos até o álbum Ele, de 1975). Nas letras, ele é um Lupicínio Rodrigues ao contrário, que em vez de vingança, autoflagela­se nas letras: "O meu corpo já cansou/minha vida envelheceu/mas não cansa o coração/que jamais te esqueceu".







Fonte: jconline.ne10.uol.com.br

0 comentários:

Postar um comentário

Obrigado por nos dar o prazer da sua visita.
Seu comentario será publicado depois de moderado.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Blogger Templates