janeiro 31, 2013

Benefícios da musicoterapia na terceira idade


"A música é capaz de ativar no cérebro os mesmos centros de recompensa que uma comida saborosa, droga ou sexo e reduz as concentrações dos hormônios do estresse"

A musicoterapia é uma especialização científica que se ocupa do trabalho clínico e do estudo dos elementos do som e da música para fins educacionais e terapêuticos. A musicoterapia auxilia a abrir canais de comunicação para produzir efeitos terápicos com estímulos sonoros com o objetivo de treinar e recuperar o paciente.

Do ponto de vista histórico, sabemos que a música tem a capacidade de transcender o tempo, a música vai além dos séculos e décadas, existe em diferentes culturas e gerações dando sentido aos movimentos, fatos vivências e épocas. A música também marca um tempo histórico, sóciocultural, permanece numa memória coletivae étnica. E as músicas das nossas vidas também fazem parte dessa construção.

Os efeitos benéficos da música e seus elementos na saúde física e mental foram descobertos há mais de dois mil anos atrás. O reconhecimento de que a música poderia estimular o corpo humano, influenciar no batimento cardíaco, no sistema imunológico, no sistema endócrino, nos órgãos dos sentidos, na resposta motora, comportamentos e emoções, levou seu uso para a prevenção e o tratamento de doenças físicas e mentais.

Mas a musicoterapia não se utiliza somente de música no processo de aplicação terapêutica, utiliza também o som num aspecto mais amplo em relação à sua concepção e movimento. Podem-se obter respostas motoras, sensitivas, orgânicas de comunicação através da música, da voz, do canto, de sons de instrumentos, dos gestos e dos sons do próprio corpo.

A musicoterapia na terceira idade se apresenta como uma terapia autoexpressiva de grande atuação em diferentes contextos e diversas enfermidades, tanto no aspecto preventivo social, como na reabilitação. A música atua como intermediadora na relação terapeuta-cliente, visando à melhoria da qualidade de vida, estimulando as ações físicas, sensório/perceptivas, psicológicas e sociais do indivíduo.

Tendo o corpo como primeiro instrumento musical. A utilização da música e seus elementos (som, ritmo, melodia e harmonia) pelo musicoterapeuta em um processo estruturado, ajuda promover a comunicação, o relacionamento, a aprendizagem, a mobilização, a expressão e a organização (física, emocional, mental, social e cognitiva) do índivíduo. Isso ajuda a desenvolver potenciais e/ou recuperar funções do indivíduo de forma que a pessoa possa alcançar melhor integração intra e interpessoal, bem-estar e melhor qualidade de vida.

As investigações sobre os efeitos biológicos do som e da música no ser humano mostram que:

a) Conforme o ritmo, aumenta ou diminui a energia muscular;
b) Acelera a respiração ou altera sua regularidade;
c) Produz efeito marcado, porém variável na pulsação, na pressão sanguínea;
d) Diminui o impacto dos estímulos sensoriais de diferentes modos;
e) Reduz ou retarda a fadiga;
f) Aumenta a atividade voluntária (atividades que temos controle: psicomotoras);
g) Provoca mudanças nos traçados elétricos do organismo;
h) Provoca mudanças no metabolismo e na biossíntese de vários processos enzimáticos.

A respeito dos efeitos na música na estimulação cerebral, a musicoterapia é bastante útil para desenvolver a inteligência e para estimular funções cognitivas e na manutenção das capacidades de memória, percepção, atenção, concentração e linguagem.

Existem regiões no cérebro do ser humano compostas por células especializadas destinadas a memorizar somente sons com determinados ritmos, outras, são destinadas a memorizar diferentes timbres de som, ou então células que têm a função de armazenar somente a linha melódica de uma música e o conjunto desses grupos celulares, compõe a memória sonora.

O reconhecimento da música, portanto sua identificação, ou seja, sua percepção, constitui uma função cognitiva. O aprendizado da música ou de um instrumento musical ajuda no desenvolvimento cognitivo, sobretudo nos aspectos semânticos e nos sistemas de memória. A música se configura numa forma de linguagem e pensamento, na atividade musicoterapêutica a música auxilia a manutenção da memória, da concentração, facilita a percepção auditiva, a atenção, a repetição, estimula a memória imediata, a *memória implícita, o raciocínio abstrato, a imaginação e a criatividade.

Existem regiões no cérebro do ser humano compostas por células especializadas, destinadas a memorizar somente sons com determinados ritmos, outras, são destinadas a memorizar diferentes timbres de som, ou então, células que têm a função de armazenar somente a linha melódica de uma música e o conjunto desses grupos de células compõe a memória sonora.

A área cerebral responsável pelo reconhecimento da música que ouvimos é a região ou córtex temporal do hemisfério direito do cérebro, assim como a execução das melodias e da prosódica musical.
Melodia é a sucessão rítmica, ascendente (indo para o agudo) ou descendente de sons (indo para o grave), a intervalos diferentes (duas notas diferentes) que encerram o sentido musical, processada na região do lobo temporal e frontal. A prosódia é o compasso das palavras que se ajusta aos acordes musicais numa composição ou no canto.

Também é função do córtex temporal direito executar a música cantando-a.
No hemisfério esquerdo estão os centros da linguagem, que nos possibilitam a compreender a música. O córtex temporal do hemisfério esquerdo é indispensável para a composição e escrita da música. A música e a linguagem atuam em conjunto, ambas transmitem mensagens por meio de um sistema de signos que possui suas regras gramaticais.
Música interfere no comportamento humano e nas emoções
A música seja ela de qual gênero for, é uma inseparável companheira dos sentimentos, e sendo a emoção uma das características mais marcantes da pessoa, sempre onde existir pessoas, haverá lugar para a música.
Outros estudos mostram que a música exerce grande influência sobre o comportamento e as emoções e têm grande influência em regiões do cérebro importantes para as emoções.

Com relação aos estudos sobre os efeitos da música nas emoções e no comportamento ela é utilizada para:

- melhorar o humor, o sono, a motivação, a autoconfiança;
- diminuir a ansiedade;
- combate a tensão e a fadiga e eliminar o estresse.
Isso porque a música é capaz de ativar no cérebro os mesmos centros de recompensa que uma comida saborosa, droga ou sexo e reduz as concentrações dos hormônios do estresse.

É importante lembrar que os estímulos musicais interferem de forma única em cada ser humano, embora a música seja uma linguagem universal.

* Memória ímplicita divide-se em duas: semântica: para vocabulários; declarativa para narrativas, relatos de experiências, episódios.

2 comentários:

  1. Whаt's up, its fastidious paragraph on the topic of media print, we all be familiar with media is a wonderful source of information.

    Take a look at my web site http://kaf801.ru/

    ResponderExcluir
  2. Right now it seеms liκe Drupal is thе prеferгeԁ blogging platform оut there гight nоω.
    (fгom what I've read) Is that what you are using on your blog?

    My website :: http://www.Mojitoeventi.com

    ResponderExcluir

Obrigado por nos dar o prazer da sua visita.
Seu comentario será publicado depois de moderado.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Blogger Templates