outubro 10, 2013

Aguinaldo Timóteo:Polêmico e brigão, mas um grande cantor

Agnaldo Timóteo começou na época da Jovem Guarda

Uma das figuras mais polêmicas e com fama de brigão começou cantando em circos no interior de Minas Gerais.

Após vários anos cantando sem grande repercussão, por volta de 1960, foi ouvido, num programa de rádio, em Belo Horizonte, por Anísio Silva, que estava no auge de sua carreira. Anísio o apresentou a seu empresário, Kléber Lisboa, que o aconselhou a ir ao Rio de Janeiro cantar no programa do César de Alencar, sucesso absoluto de audiência na época. Em 1960 mudou-se para o Rio de Janeiro. Sua carreira artística começou realmente a se concretizar quando foi levado por Jair de Taumaturgo para se apresentar no programa "Hoje é dia de rock". Em 1964 gravou seu primeiro disco, um 78 rpm pelo selo Caravelle, interpretando o samba canção "Sábado no morro", de Mário Russo e Sebastião Nunes e o rock balada "Cruel solidão", de Renato Gaetani. Em 1965 gravou em LP a faixa "A casa do sol nascente", de Alan Price, versão de Fred Jorge, destacando-se, desde então, como cantor popular romântico, com privilegiada voz e uma extensa
discografia.

Polêmico e brigão

Em 20131 ele não gostou da atitude da cantora Daniela Mercury ao se declarar gay e disparou:

"Milhões de famílias vão concordar comigo. A gente não pode bater palma para a vulgaridade, para o exibicionismo, para o oportunismo, para a farsa e para a mentira. Não é possível você aproveitar para dizer: 'eu quero apresentar minha mulher'. Que negócio é esse? Aos 47 anos e com cinco filhos? Por que não fez isso quando tinha 20 anos? Para! Estou indignado", esbravejou Agnaldo Timóteo em um programa de TV.

Sempre polêmico, Agnaldo abriu seu coração. "Tudo tem limite. Ninguém vai punir, ninguém vai recriminar, mas eu vou. Eu tenho 76 anos, saí de casa aos 16 para enfrentar o mundo e continuo enfrentando, então não tenho que concordar com uma mulher que aos 47 anos e cinco filhos, que com certeza amou muitos homens, aproveita o movimento de todo mundo dando porrada num deputado (Marco Feliciano) e diz que quer apresentar a mulher. Foi um oportunismo perverso, canalha. Uma mulher não precisa expor a sua relação", criticou.

Em 1966 lançou "O astro do sucesso", destacando-se "O último telefonema", de Donaggio e Pallavicini, versão de Bourget. Em 1967 lançou o LP "O sucesso é o astro", destacando-se "Cartas de amor", de Victor Young, versão de Oswaldo Santiago.


Em 1968 lançou "Obrigado, querida", com o grande sucesso "Meu grito", de Roberto Carlos e Erasmo Carlos, que resultou em seiscentas mil cópias vendidas. Em 1969 foi a vez de "Comanda o sucesso", destacando-se "Eu vou sair pra buscar você", de Nelson Ned e Cláudio Fontana. No ano seguinte lançou "O intérprete", destacando-se "Que bom seria", de Antônio Marcos e Mário Marcos Em 1971, lançou a vez de "Sempre sucesso", destacando-se "O último romântico", de Donaggio e Pallavicini, versão de Marilena Amaral. Em 1973 lançou "Frustrações", destacando-se a faixa-título, de autoria de Roberto Carlos e Erasmo Carlos.

Em 1974, lançou "Encontro de gerações", destacando-se "Amor proibido", de Dora Lopes e Clayton. Gravou ainda, entre outros, "Song by brazilian international famous Agnaldo Timóteo", gravado no México, "The good voice of Brazil", editado nos E.U.A e Inglaterra, e "Sonhar Contigo". Apresentou-se em temporadas no norte e nordeste, acompanhado por um conjunto de Juiz de Fora (MG), liderado por Fernando Simões. Em 1978 obteve sucesso com "Eu pecador".

Em 1980 esteve nas paradas de sucesso com "Grito de alerta", de Luiz Gonzaga Júnior. Em 1997 lançou o CD "Ao Nelson com carinho".

Tendo desenvolvido grande amizade com Angela Maria, trabalhou ao lado da cantora várias vezes, ao vivo e em discos. O contato de Agnalto com a Sony viria, através de Angela em 1996. Neste ano, Agnaldo gravou a faixa "Tango pra Teresa" para o álbum Amigos, que rendeu à Angela Disco Duplo de Platina por suas mais de 500 mil cópias vendidas.

Em 1997, lançou o CD "Ao Nelson com carinho".

Seu 45º disco, "Em nome do amor" é uma homenagem a Roberto Carlos. Nesse disco, Agnaldo reuniu 14 sucessos do Rei, emprestando notável interpretação a músicas como "Falando Sério", "Como Vai Você", "Seu Corpo", "Fera Ferida", "Emoções" e "Outra Vez".

Seu segundo lançamento pela Sony foi " Angela & Agnaldo, Sucesso Sempre!", de 1998, em que ele e sua 'madrinha' como a considera, prestam uma homenagem emocionada ao Dia das Mães. Sempre destacando a importância daquelas que dão à luz e dedicando especial atenção à sua mãe, nos tempos em que foi Deputado Federal, ficou célebre, entre os parlamentares e a população em geral, a expressão "Alô, mamãe!" com que abriu seu primeiro discurso no parlamento. São diversos os hits de sucesso de sua carreira em homenagem às mães e que estão presentes nesse disco: "Mamãe", "Mãezinha Querida" e "Obrigado Mamãe". Também incluídos no álbum clássicos como "Um Dia de Domingo", "Cabecinha no Ombro", "Você Vai Ver" e "Nuvem de Lágrimas". Agnaldo e Angela receberam ainda o apoio de Fábio Jr. ("Alma Gêmea"), Chitãozinho & Xororó ("Índia"), Fagner ("Deslizes") e Cauby Peixoto ("Ninguém é de Ninguém"/"A Noiva").

Em 1999 a Universal Music lançou o CD "A discoteca do Chacrinha", no qual Agnaldo interpreta o sucesso "Sorria, sorria", de Evaldo Braga e Carmen Lúcia.

Em 2000 exerceu mandato de vereador, com notável votação, na Câmara de Vereadores do Município do Rio de Janeiro. Em 2001 apresentou na sala Baden Powell, no Rio de Janeiro, o show "Feitiço do Rio", com direção de Mauro Rasi, no qual interpretou, entre outras, "Samba do avião", "Copacabana", "Feitiço da Vila" e "Valsa de uma cidade". O espetáculo ficou registrado no CD homônimo.

A partir de 2002, passou a divulgar e comercializar seus próprios discos, colocando em prática o projeto "Espaço Musical CD Rua" incluído na lei municipal de sua própria autoria, quando vereador da cidade do Rio de Janeiro. O projeto é pioneiro e tem por objeto o combate da pirataria fonográfica e a facilitação ao artista para distribuir o seu produto musical, além de dar oportunidade ao contato direto com seu público, nas ruas da cidade. Em 2006, lançou o CD "Feitiço do Rio".

O disco é uma homenagem de Timóteo ao Rio de Janeiro, apresentando 13 canções que constituem clássicos de louvor à cidade. O repertório traz compositores como Tom Jobim ("Samba do Avião"), Vinícius de Moraes, com Tom ("Garota de Ipanema"), Noel Rosa ("Feitiço da Vila"), Herivelto Martins em rara parceria com Grande Otelo ("Praça Onze"), João Roberto Kelly, com Chico Anísio ( Rancho da Praça Onze"), Braguinha com Alberto Ribeiro (Fim de semana em Paquetá") e Antônio Maria e Ismael Neto ("Valsa de uma cidade"), entre outros.






Fonte: Informações Wilkepedia

8 comentários:

  1. Sou muito fã deste cantor Aguinaldo Timoteo,tem boas musicas,excelente voz,hoje em dia não temos bons cantores como ele,ele só diz a verdade .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ola Eronides,
      Concordamos com você, é mesmo um ótimo cantor e no caso da Daniela Mercury ele está com toda razão.

      Abraço

      Excluir
  2. Safado, mal caráter, defensor de corruptos...como alguém pode ser fã de um pilantra desses?? Não me interessa se canta bem, se tem músicas bonitas, se aliou com Paulo Maluf pra mim morreu, não tem dignidade moral nenhuma. É por isso que esse país não vai pra frente, as pessoas "deixam de lado" o desvio de caráter simplesmente porque gostam da pessoa como cantor....

    ResponderExcluir
  3. Duvido que publiquem meu comentário....

    ResponderExcluir
  4. É Manoella, censuraram o meu...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rick, pedimos desculpas a você, mas alguns comentários não podemos liberar.

      Excluir
  5. Grande Cantor !

    http://www.lugarcertoimoveis.com.br

    ResponderExcluir

Obrigado por nos dar o prazer da sua visita.
Seu comentario será publicado depois de moderado.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Blogger Templates